Inscreva-se
Conheça nossos cursos

Mercado de Trabalho

3 atividades inclusivas para fazer em sala de aula com seus alunos

Mercado de Trabalho

8 empresas que se destacam no mercado com ações socioambientais

Mercado de Trabalho

3 atividades inclusivas para fazer em sala de aula com seus alunos

Por EAD UNIFSA em Feb 14, 2022 1:32:15 PM | 16 min de leitura

Está procurando atividades inclusivas para fazer em sala de aula com seus alunos? Pois neste artigo, trouxemos 3 delas para você. 

Além disso, vamos falar um pouco aqui sobre a educação inclusiva, os desafios que enfrenta nos dias de hoje no Brasil e como um professor pode se preparar. 

Você vai conferir: 

O que é educação inclusiva?
Os desafios da educação inclusiva no Brasil
3 atividades inclusivas para fazer em sala de aula 
O papel do professor na construção de uma escola inclusiva 
Conclusão 

New call-to-action

O que é educação inclusiva? 

Em conceito, a educação inclusiva se baseia na ideia de cidadania global, incluindo todas as pessoas, sem preconceito. 

De acordo com essa ideia, todos os alunos seriam diferentes entre si e únicos, o que reforça a ideia de que não existe um grupo de pessoas diferentes e um grupo de pessoas normais, mas que todos são diferentes e que isso é normal. 

Na prática, então, a educação inclusiva é uma abordagem que busca a adaptação do sistema educacional para garantir o acesso e permanência de alunos com necessidades especiais em escolas regulares. 

Os principais objetivos são o aluno conseguir acessar e permanecer no sistema regular, se integrar com os demais alunos e participar dos mesmos processos de socialização. 

Uma escola que pratica a educação inclusiva acaba por ser uma escola diversa, porém precisamos tomar cuidado ao usar o termo porque a educação inclusiva não é caracterizada pela diversidade. 

Uma escola com um corpo de alunos diverso não necessariamente tem um projeto pedagógico que abrange todos e recursos inclusivos. 

Educação especial X educação inclusiva 

Durante muito tempo no Brasil, a educação de pessoas com necessidades especiais se dava apenas em escolas especiais. 

A educação especial foi pensada para atender exclusivamente alunos que tenham necessidades especiais. 

Ela atende alunos com transtornos gerais do desenvolvimento (TGD), deficiência física, visual, auditiva e intelectual, transtorno do espectro autista (TEA) e altas habilidades ou superdotação. 

A educação especial é aplicada em escolas especiais, que podem abarcar um tipo de necessidades citadas acima ou várias. 

Porém, escolas especiais sempre geraram algumas críticas. 

A maior delas é que esse tipo de abordagem acaba segregando o aluno com necessidades especiais e tirando dele algo essencial: a integração com os demais alunos. 

Por isso, estudiosos da área acreditam que o ideal seja o sistema regular de ensino se adaptar física e pedagogicamente para receber alunos com necessidades especiais de forma inclusiva. 

Como surgiu a educação inclusiva? 

O que viria a ser a educação inclusiva começou a ser debatida de forma prática em 1994, na Conferência Mundial de Salamanca sobre Educação para Necessidades Especiais. 

Desta conferência saiu um documento, a Declaração de Salamanca, que reforça o compromisso das nações com a educação para todos, incluindo crianças e adolescentes com necessidades especiais. 

Como consequência ao documento, e aos movimentos para transformar em prática as resoluções da declaração, surgiu a educação inclusiva. 

Os desafios da educação inclusiva no Brasil 

Embora ainda não tenha um cenário ideal, e veremos por que, a educação inclusiva é muito melhor hoje do que já foi em outros tempos. 

Entre 2010 e 2020, as matrículas de alunos com necessidades especiais em escolas comuns teve um crescimento de cerca de 20%. Em 2010 eram 68,9% e em 2020 esse número passou para 88,1%. 

Em alguns estados do país (Acre, Rio Grande do Norte, Roraima e Espírito Santo), a porcentagem de alunos com necessidades especiais matriculados em escolas comuns chega a 100%, o que é um marco louvável. 

Porém, não só apenas de dados positivos vive a educação inclusiva no Brasil. 

Problemas de infraestrutura 

O Anuário Brasileiro da Educação Básica de 2021 notou que apenas 63,3% dos banheiros em escolas comuns da zona urbana possuem banheiro adequado, por exemplo. 

E que apenas 31,9% das escolas conta com uma sala de recursos multifuncionais para Atendimento Educacional Especializado, o AEE. 

Essa diferença no acesso à educação básica acaba trazendo dificuldades para a vida adulta das pessoas com necessidades especiais, como mostra um dado divulgado pelo IBGE. 

Reflexo na vida adulta 

Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, elaborada pelo IBGE, 67% da população com deficiência não tem a instrução formal que deveria ter. 

Entre pessoas sem deficiência, essa porcentagem cai para 30%, mostrando que não é um problema ocasional, mas estrutural. 

Preconceito e bullying 

Outro desafio enfrentado pela educação inclusiva no país é o medo que os pais de crianças com deficiência têm de seus filhos sofrerem preconceito entre crianças consideradas “normais”. 

Segundo uma pesquisa realizada pelo instituto Datafolha em 2021, 87% dos pais tem esse receio. 

A pesquisa também mostrou outros dados interessantes da percepção do povo brasileiro sobre a educação inclusiva, como 86% dos entrevistados afirmando que a escola se torna um ambiente melhor com a inclusão. 

Formação dos professores 

Outro problema encontrado é quanto à formação dos professores. 

Segundo a pesquisa do Datafolha, 71% dos entrevistados acredita que os professores têm intenção de atuar com educação inclusiva, mas 67% citou que eles não têm a formação adequada. 

E essa percepção pode estar correta porque o Censo Escolar 2019, por exemplo, descobriu que apenas 6% dos professores do sistema educacional brasileiro está preparado para ministrar aulas para alunos com necessidades especiais. 

O que também é interessante no censo é que entre os professores que atuam na educação especial, a porcentagem de profissionais capacitados para a área é de apenas 42%.

atividades inclusivas para fazer em sala de aula com seus alunos - professora com grupo de alunos com síndrome de down

3 atividades inclusivas para fazer em sala de aula 

Mesmo que a escola onde você atua não tenha uma abordagem de educação inclusiva ou não tenha a infraestrutura necessária, ainda existem atividades inclusivas para fazer em sala de aula que ajudam os alunos a chegarem no objetivo. 

Nós selecionamos três delas aqui, e você vai perceber que são atividades inclusivas para fazer em sala de aula que não requerem muito material ou esforço, apenas intencionalidade. 

1 Contação de histórias

A contação de histórias é uma maneira universal de trabalhar interpretação e senso crítico. 

Pode-se criar diversas atividades inclusivas para fazer em sala de aula a partir de uma história, como explorar os aspectos táteis do livro, a imaginação das crianças ao apenas contar a história de forma oral ou, então, trabalhar um teatrinho. 

2 Desenhar o corpo

Essa é uma atividade que ajuda a criança a entender a diferença de maneira real e visual. Você vai precisar de um rolo de papel e canetas coloridas, lápis de cor ou giz de cera. 

Antes da atividade, você pode trabalhar com os alunos quais são as partes do corpo, como cuidar do nosso corpo, o que é igual às outras pessoas e o que é diferente. 

Então, promove a atividade em si usando duplas. Um coleguinha contorna o corpo do outro no papel, o que vai ajudar ambos a entender as dimensões reais de seu corpo e como eles são diferentes. 

Depois da atividade, você pode voltar com os questionamentos, buscando saber como foi a experiência, qual foi a maior dificuldade e provocando os alunos para verem diferenças e semelhanças entre os desenhos. 

3 Guiar os colegas

Essa é uma das atividades inclusivas para fazer em sala de aula que mais promove colaboração, confiança e a expressão dos alunos. 

A ideia é dividir os alunos em trios e pedir que eles formem um trenzinho, sendo que o contato entre eles deve ser feito pela mão no ombro do coleguinha. 

Os alunos que ficarem na frente do trenzinho e atrás deverão ser vendados, deixando que o aluno que ficar no meio seja o guia e oriente os colegas a caminhar pela sala de aula evitando os obstáculos. 

As posições podem ser rotacionadas, para que todos possam ter a experiência. Depois dela, o ideal é conversar sobre o que aconteceu e o que eles aprenderam com isso. 

O papel do professor na construção de uma escola inclusiva 

Para que a educação inclusiva chegue com força no sistema educacional regular, existe a necessidade de se criar uma rede de apoio. 

É preciso contar com iniciativas do Estado, com políticas públicas, com a participação ativa de pais e responsáveis e com a formação adequada de professores e equipe escolar. 

E este é um dos maiores desafios na formação do professor porque, em muitas esferas, a educação inclusiva ainda é vista como paralela à educação regular. 

Assim como durante o uso de metodologias ativas, dentro da sala de aula inclusiva, o professor toma papel de guia, de mediador e mentor. Nesse cenário, o projeto pedagógico deve ser o responsável por promover a equidade de oportunidades e a diversidade. 

O papel do professor, nesse sentido, seria de intervir nas atividades quando o aluno não tiver autonomia para se desenvolver sozinho, ajudando-o e mostrando o caminho. 

Mas para isso, ele deve estar preparado e qualificado. 

Portanto, queremos aproveitar este espaço para convidar você a conhecer a Pós +Carreira EAD UNIFSA em Educação para Diversidade. 

Torne-se um especialista em Educação para a Diversidade  

A pós-graduação em Educação para Diversidade EAD do UNIFSA visa preparar o profissional para uma atuação mais humanizada e efetiva dentro do ambiente educacional.   

Você entra em contato com disciplinas e temas relevantes, que auxiliam no desenvolvimento de habilidades e metodologias de ensino para contemplar a inclusão de modo central.  

Além disso, na Pós +Carreira EAD UNIFSA você conquista um certificado intermediário a cada 3 meses, acrescentando mais linhas ao seu currículo antes mesmo da conclusão de curso.  

Os certificados intermediários de extensão que você receberá durante o curso são estes:  

  • Diversidade, Alfabetização, Tecnologia e Formação Docente na EJA  
  • Gestão Diversidade e Comportamentos  
  • Interdisciplinaridade, Aprendizagem Significativa e Avaliação  
  • Diversidade, Políticas e Direitos Humanos no Contexto Educacional  

E ao final, você se torna especialista com um diploma em Educação Para Diversidade 360h.  

Outra característica importante da Pós +Carreira EAD UNIFSA é você receber um acompanhamento profissional de carreira.

Conheça a Pós +Carreira EAD UNIFSA em Educação para Diversidade neste link. 

Conclusão 

Chegando ao final deste conteúdo, esperamos que você tenha conseguido entender o contexto da educação inclusiva no Brasil e que tenha aproveitado nossas dicas de atividades inclusivas para fazer em sala de aula. 

Também não deixe de conhecer a Pós-graduação em Educação para Diversidade EAD do UNIFSA. Temos certeza de que será de grande ajuda na sua carreira. 

Leia também: 

Dê um novo rumo à sua carreira. Faça um teste de aptidão profissional! 

Pedagogia Waldorf: como aliar desenvolvimento intelectual e emocional 

Recolocação profissional em 7 passos para conquistar o sucesso 

Mercado de Trabalho

Veja mais conteúdos da UNIFSA sobre EAD e educação

8 empresas que se destacam no mercado com ações socioambientais

Sustentabilidade e desenvolvimento social não são uma moda passageira. Eles já impactam os processos de organizações de ...
23 min de leitura

O que é Economia Criativa e como trabalhar na área

A economia criativa é um setor da economia relacionado ao entretenimento e à cultura. 
14 min de leitura

Millennials e Geração Z: o que o profissional de marketing precisa saber

Nos últimos anos, muito se tem ouvido sobre Millennials e Geração Z. Mas você sabe como esses dois grupos afetam a ...
16 min de leitura
Ver mais conteúdossobre Mercado de Trabalho