Inscreva-se
Conheça nossos cursos

Mercado de Trabalho

O que é nomofobia, o vício que pode prejudicar sua vida

Mercado de Trabalho

8 empresas que se destacam no mercado com ações socioambientais

Mercado de Trabalho

O que é nomofobia, o vício que pode prejudicar sua vida

Mariana Bortoletti
Por Mariana Bortoletti em Jan 20, 2022 12:14:00 PM | 14 min de leitura

Se você é uma pessoa que não consegue nem imaginar o que faria sem o seu celular, é preciso tomar cuidado porque isso pode ser um sinal de nomofobia. 

Conforme as tecnologias estão evoluindo e afetando a estrutura social, novos transtornos, como a nomofobia, surgem.

Esse é um termo inglês que se refere ao medo que uma pessoa sente de ficar sem celular. A nomofobia pode trazer ansiedade, insônia, problemas de concentração, isolamento e pode até levar à depressão. 

Para ajudar você a entender melhor o que é a nomofobia e como lidar com ela, trouxemos este artigo para aprofundar o assunto. 

Você vai conferir: 

O que é a nomofobia? 
Os sinais de alerta da nomofobia 
Os prejuízos da nomofobia para sua vida 
Como lidar com a ansiedade de ficar afastado do celular 
Conclusão 

New call-to-action

O que é a nomofobia? 

A nomofobia é o medo irracional de ficar sem o celular, o medo de ser incapaz de usar o telefone ou de ficar sem sinal de internet.  

A termo deriva do inglês (no + mobile + phobia = nomophobia, nomofobia em português) e foi criado pela YouGov, uma instituição de pesquisa sediada no Reino Unido. 

O instituto identificou que 88% dos britânicos entre 18 e 35 anos se sentiam ansiosos, nervosos e preocupados se ficassem separados de seus smartphones por 24 horas.

E essa não é uma realidade apenas dos britânicos, ela se estende ao mundo inteiro. 

Na Coréia do Sul, pessoas de 18 a 37 anos relataram que sentem que smartphones são parte de sua identidade e uma extensão de seus corpos. Enquanto isso, os brasileiros passam em média 3h14m por dia conectados aos seus celulares. 

A nomofobia não seria uma fobia, mas um vício 

Por definição, uma fobia é um medo irracional de alguma coisa. 

Esse medo irracional é um desconforto que leva as pessoas a imaginarem os piores cenários envolvendo a tal coisa, além de trazer a sensação de pânico e terror. 

Nesse sentido, especialistas dizem que a nomofobia não é uma fobia, mas um vício.  

Para ser uma fobia, o medo sentido pelos nomofóbicos precisaria ser irracional. Porém, tudo o que eles temem poderia acontecer, por exemplo ficar sem bateria ou perder uma notícia. 

O vício, por sua vez, foca na obtenção de prazer de um indivíduo e na dependência.

Isso faz com que ele se afaste dos amigos e da família, seja prejudicado no trabalho e mude o curso de suas ações. O vício também traz ansiedade e angústia. 

Assim, o medo que uma pessoa tem de ficar longe do celular pode ser comparado ao medo que um dependente químico sente ao pensar que não vai ter o prazer proporcionado pelo entorpecente. 

Os sinais de alerta da nomofobia 

Usar o celular para realizar tarefas do dia a dia faz parte da normalidade do mundo atual, já que os aplicativos permitem que façamos coisas diversas, desde compras de mercado até trabalhar. 

Porém, identifica-se a nomofobia quando a relação de uma pessoa com seu smartphone é de dependência.

Você se torna um nomofóbico quando, ao ficar longe do seu celular, começa a apresentar sintomas físicos e mentais que se parecem com a abstinência de drogas. 

Por isso, preste atenção aos seguintes sinais de alerta: 

  • Nunca desliga o telefone porque não consegue; 
  • Sempre verifica se tem novas mensagens, e-mails ou se perdeu alguma ligação; 
  • Abre as redes sociais o tempo inteiro para verificar notificações; 
  • Fica irritado quando está em um local sem wi-fi ou quando os dados móveis não funcionam; 
  • Sempre leva o celular para o banheiro com você; 
  • Se fica muito sem usar o celular, sente que algo está errado; 
  • Faz várias pausas durante o trabalho para verificar notificações no celular; 
  • Acorda no meio da noite para mexer no celular; 
  • Se sente incompleto quando sai de casa e esquece o telefone; 
  • Leva o carregador para todos os lugares porque tem medo de ficar sem bateria. 

É importante saber distinguir sinais de nomofobia do uso normal do celular, então pense nesses sinais de alerta como extremos.

nomofobia - grupo de pessoas usando o celular juntas

Os prejuízos da nomofobia para sua vida 

Como dissemos, a definição da nomofobia é a ansiedade de ficar sem o celular e isso acaba tendo efeitos físicos e mentais bastante perigosos. Especialistas dizem que, em casos extremos, essa ansiedade pode levar à depressão. 

Os sinais psicológicos englobam a ansiedade e angústia, mas os sinais físicos podem afetar a saúde dos olhos, atrapalhar o sono e provocar fadiga.

Na prática, existem graus variados de prejuízos para a saúde, então nem sempre será possível identificar, mas podemos citar os mais comuns: 

Problemas de concentração 

Uma das justificativas de ter o celular sempre por perto é ser multitarefa.

E apesar de a sociedade estar convencida de que ser multitarefa nos permite fazer mais com o nosso tempo, a verdade é que o cérebro não está estruturado para fazer duas coisas ao mesmo tempo. 

Por isso, usar o celular enquanto assiste televisão, por exemplo, não otimiza o seu tempo, apenas faz com que você perca a concentração em ambas as tarefas. 

Você acaba não dando a atenção necessária para as duas tarefas que se propõe a fazer e isso traz uma queda de produtividade, menos assertividade e dificuldade de concentração. 

Ansiedade 

Grande parte da necessidade de estar conectado e sempre presente online é o medo de estar perdendo algo importante, também chamado de FOMO (fear of missing out).

Essa é uma ansiedade comum em uma sociedade conectada e dependente de redes sociais. 

De repente, estamos carregados de sentimentos angustiantes de que nossos amigos estão fazendo planos sem nós, que perdemos o meme mais recente ou que seremos os últimos a saber sobre uma notícia importante. 

Insônia 

Esse é um problema físico comum a quem fica muito tempo no celular, isso porque os smartphones estão cheios de informações estimulantes e isso deixa o cérebro animado, sem vontade de dormir, mesmo que você esteja cansado fisicamente. 

Além disso, os smartphones e dispositivos no geral emitem a chamada “luz azul”, que impacta a córnea e pode causar dores de cabeça, cansaço visual e envelhecimento precoce da retina. 

luz azul dos dispositivos é formada pela luz turquesa e luz violeta, sendo que a última é aquela que prejudica o sono. Isso porque ela bloqueia a produção de melatonina. 

Dificuldade de se conectar 

Mais um dos sintomas psicológicos e sociais, a nomofobia pode causar uma dificuldade de conexão de um indivíduo com outros indivíduos. 

A ansiedade de estar sempre conectado tira a atenção de uma pessoa da conversa que estiver tendo e leva para o aparelho.

Nesse cenário, conversas entre amigos ou familiares se tornam chatas e sem sentido, enquanto o bombardeio de informações nas redes sociais e aplicativos traz alegria. 

O que causa muitas pessoas começarem uma conversa presencial com alguém, mas logo em seguida já puxar o telefone para checar alguma coisa. 

Como lidar com a ansiedade de ficar afastado do celular 

A nomofobia não é uma doença em si, como podemos ver ao longo do artigo, mas uma espécie de vício movido pela ansiedade e pelo medo de ficar de fora de alguma novidade. 

Por isso, uma das maneiras de lidar com a nomofobia, ou seja, com a ansiedade de ficar longe do celular, é dissociando o smartphone de uma ideia positiva. 

Antes mesmo de tomar atitudes contra essa ansiedade, você precisa entender o que ela representa e como afeta negativamente o seu corpo e sua mente. 

Então, tendo essa ideia clara, você pode aplicar algumas dicas: 

  • Desligue o celular quando estiver conversando com seus amigos e familiares ou quando quiser descansar e passar um tempo desconectado. E, claro, busque ter a força de vontade de não ligar o celular para poder se conectar novamente. 
  • Equilibre o tempo que você passa tendo contato humano com o tempo usado no celular. Ou seja, se você identificou que ficou uma hora no celular, passe uma hora na companhia de algum amigo ou familiar. E não vale ser pelo whatsapp! 
  • Quando for dormir, deixe o seu telefone a, pelo menos, 10 metros de distância da sua cama. Essa é uma tática interessante para evitar que você acesse o telefone durante a noite e ainda ajuda a levantar no horário certo de manhã. 
  • Defina momentos do dia em que você vai ficar longe do seu celular, pode ser durante o horário de trabalho ou em algum período específico para realizar outras tarefas. A intenção é começar a se acostumar a ficar sem ele. 
  • Não abra nenhum aplicativo, nem os de mensagens ou e-mails, durante 30 minutos depois de acordar e nem 30 minutos antes de dormir. Isso ajuda a manter o seu ciclo de sono. 
  • E se precisar, baixe aplicativos que limitam o uso de tempo de determinados apps no seu celular. Esses aplicativos bloqueiam as atividades depois de um certo tempo. 

Essas são dicas que ajudam nomofóbicos a lidar com a ansiedade de ficar longe do celular. 

Porém, se você percebeu que apresenta nomofobia em níveis elevados, o caminho mais recomendado é buscar ajuda profissional. 

Um psicólogo vai ajudar você a investigar melhor a raiz desse problema e, também, a elaborar técnicas para encerrar a relação de dependência que você tem com o celular. 

Conclusão 

Chegando ao final deste artigo, esperamos ter conseguido ajudar você a entender o que é a nomofobia, como ela pode afetar a sua saúde e o que você pode fazer para lidar com ela. 

Leia também: 

Trabalhar em casa: como se organizar e ser produtivo 

Profissões em alta em 2022: conheça as áreas mais promissoras 

Melhore a produtividade no trabalho com essas 7 ferramentas 

Mercado de Trabalho

Veja mais conteúdos da UNIFSA sobre EAD e educação

8 empresas que se destacam no mercado com ações socioambientais

Sustentabilidade e desenvolvimento social não são uma moda passageira. Eles já impactam os processos de organizações de ...
23 min de leitura

O que é Economia Criativa e como trabalhar na área

A economia criativa é um setor da economia relacionado ao entretenimento e à cultura. 
14 min de leitura

Millennials e Geração Z: o que o profissional de marketing precisa saber

Nos últimos anos, muito se tem ouvido sobre Millennials e Geração Z. Mas você sabe como esses dois grupos afetam a ...
16 min de leitura
Ver mais conteúdossobre Mercado de Trabalho